domingo, 30 de outubro de 2011

Postura cidadã

Como profissional da área da saúde, tenho observado o movimento que tem acontecido sobre a parada ILEGAL nas vagas destinadas a idosos e pessoas com deficiência. Esse movimento nunca foi tão forte e com tantas pessoas engajadas como no presente momento. Bom, isso não é mesmo?
Sim, muito. Acontece que ainda tem muita gente que não se sente tocado por toda a campanha para a responsabilidade cidadã consciente e continua acreditando, erroneamente, que essas vagas pré-determinadas ainda podem ser usadas para qualquer fim.

imagem retirada do Gooogle

Essas vagas têm no solo a simbologia pintada, indicando a particularidade da vaga. Assim como placa referente ao uso indevido e população que se aplica. Por fim, quem está autorizado a parar nas vagas para pessoas com deficiência física são carros que possuem selo, indicativo da deficiência, colados no vidro da frente e de traz dos carros. Esses selos são azuis, que nem esse aqui:
Isso significa que se seu carro não possui esse selo, essa vaga não pode ser utilizada por você NEM POR UM MINUTO!
Muito simples, não é mesmo? Não, não é.
Semana passada eu estava parada no centro da cidade. Uma parada de cerca de 45 minutos. E ao meu lado tinham duas vagas reservadas para pessoas com deficiência física. Ví muito carros darem ré, para pararem nas vagas e irem embora.
Mas, também vi um carro dirigido por um senhor, de cerca de 50 anos, parar na vaga reservada e descer do carro. A acompanhante também desce. O casal se dá a mão e entra e m um consultório odontológico. Assim, como se nada tivesse acontecido! Tirei fotos com o celular, várias fotos, com o intuito de enviar para o jornal da cidade, denunciando mesmo!
Menos de 15 minutos depois, outro carro vem e estaciona na segunda vaga reservada e desde dele uma jovem, cerca de 35 anos. Nesse caso ficam no carro o acompanhante e uma criança. Essa pessoa demora cerca de 15 minutos, volta e vai embora. Pode ser? Não, não pode. Essas vagas não são para parada em nenhuma circunstância. Tirei, novamente, mais fotos.
A verdade é que fiquei muito incomodada com as duas situações que presenciei. Não é justo com quem precisa dessas vagas, principalmente porque a situação em si de ser uma pessoa deficiente física que necessite de disposições adicionais para ser independente limita o desempenho das atividades. Imagina você, chegando no centro da cidade para ir ao banco, por exemplo. A vaga onde você pode parar, que tem rampa de acesso próximo, normalmente ao lado, está ocupada. Você precisa parar em outra vaga e sem rampa de acesso e para chegar ao banco precisará se locomover, de cadeira de rodas, pela rua. Sentiu o problema? Percebeu a dificuldade?
Diante da minha profunda indignação e do compromisso que assumi quando me formei profissional da reabilitação resolvi ligar para o Departamento de Trânsito. Fiz uma denúncia indicando o local e tudo que eu tinha visto.
Alguns minutos após, cerca de 30 minutos, voltei ao local e encontrei a viatura do transito, me identifiquei e contei que tinha efetuado a denuncia. Pude ver que carro, aquele primeiro, estava ainda estacionado e MULTADO e tinha outro carro estacionado, um terceiro infrator, multado também.
Me senti como? CIDADÃ.
E a partir de agora vou denunciar sempre que presenciar essas infrações. É assim que defendemos os direitos de todos nós. É assim que o Brasil começa a mudar e é assim que infratores aprenderam: colocando a mão no bolso e posteriormente, na consciência. É assim que eu espero!

domingo, 23 de outubro de 2011

O que será que é?

Desde quarta-feira que minha garganta está bem ruinzinha, depois veio a dor de cabeça, depois a dor no corpo e assim foi até sexta-feira, quando decidi, devido a alergias por medicamentos que tenho, ir ao médico.

Diagnóstico? No exame clínico nenhuma evidência de infecção de garganta ou de qualquer outro problema que justificasse a queixa.

imagem retirada do Google
O provável diagnóstico? Dengue.
A recomendação? Atenção se tiver febre. Paracetamol para dor e spray de garganta.
Melhorou! Mas sábado foi dia de ficar embaixo do cobertor, tarde toda, dormindo, com dor em tudo e sem febre. Hoje foi melhor. Nada de maiores dores, só na cabeça, mas com coriza.
Agora eu só queria que essa pseudo dengue ou pseudo gripe “desemcube” logo. Vamos combinar, ou fica doente logo ou fica bom logo?

Boa semana para todos!

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Obrigado Pai!

Pai, to precisando de uma coisa. Me ajuda a comprar? (noiva proletária vive esse dilema!)
E meu pai, muito paciencioso, retruca: Vamos ver, vamos ver!

Continue namorando o meu novo achado. Sonhando com ele e usando todas as minhas forças para ter uma grana sobrando.

Hoje chego do trabalho. Me deparo com vários saquinhos de moedas e pergunto: Quem foi que colocou essas moedas aqui no meu quarto?
E meu pai, muito paciencioso, responde: Fui eu!

Fui contar cada moedinha, achando que não passaria de R$5,00, afinal muitas eram de R$0,01.  E para minha surpresa, passou. Passou bastante!

Ah viva. Universo, seu lindo.
Ah pai. Obrigado por cuidar com tanto zelo de cada sonho, mesmo pequeno, que tenho. Por tantos outros motivos que eu amo você.

sábado, 15 de outubro de 2011

Todo dia 15

Hoje foi dia de falar de casamento. Praticamente o dia todo!
Prima que casou a pouco fala de casamento.
Eu que casarei falo sobre casamento.

E assim foi o dia e quer saber do que mais?
Hoje é dia 15 e as únicas palavras que ecoam na minha cabeça são:

“Sim, eu aceito!”.

Falta 1 ano e 2 meses.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Quero!

Casar.
Meu sonho de menina. Meu príncipe de menina.
Hoje casar é a minha realidade de mulher, no sonho que sempre tive desde menina. É bom, é ótimo ter a possibilidade de realizar esse sonho.

E é tamanho sonho que eu me perco nele, me perco nas horas que gosto de gastar na procura por idéias, na procura pelo melhor. Não quero que seja qualquer casamento, quero a realização do meu sonho. Sabe assim?

Quando começamos a planejar o casamento eu não queria várias coisas. Hoje, mudei. Hoje, eu quero!

Quero e-session.
Quero damas adultas.
Quero luvas, com terço e buque.
Quero mantilha, véu curto.
Quero ver logo meu vestido de noiva...

Mas, principalmente, quero tranqüilidade. Quero que junto com a Primavera venha a tranqüilidade, a paz dos dias quentes. Quero que o turbilhão que destelhou minha paciência se torne passado. Enfim, quero que chegue logo o dia 15 de Outubro e sabe porque?

Por que no dia 15 de Outubro faltará, apenas, 1 ano e 02 meses para o casamento.