sábado, 31 de dezembro de 2011

“E parece que foi ontem...” E é assim, com um jargão, que começo a despedida do ano de 2011.
Imagem do Google
Meia noite. Virada do ano. Lembro-me de dizer: “caso ano que vem”. Depois vieram os detalhes do casamento que começamos a resolver na prática: fechamos o cerimonial, em março. No mês seguinte foi a contratação do fotógrafo. Em maio conseguimos resolver o Buffet, local da recepção e da noite de núpcias. Em Junho foi a vez de fechar a decoração  e fazer o curso de noivos e no próximo mês escolher os músicos da igreja. O tempo passou e já em dezembro eu escolhi o modelo do vestido de noiva.
O ano também foi bom para a minha carreira. A empresa cresceu significadamente. Passei na prova de credenciamento da Unimed. Comecei a ter o reconhecimento dos serviços que presto. Comecei a ter, mais, credibilidade profissional e segurança para atuar.
Cresci. Cresci muito. Chorei a beça. Achei que não fosse dar conta da quantidade de responsabilidade que resolvi assumir. Discuti mais com o noivo do que gostaria. Nos entendemos infinitas vezes. O relacionamento ficou melhor. Também achei que o ano de 2011 não acabaria nunca. Fiquei ansiosa. Contei os meses esperando os 12 meses de contagem regressiva. Contei, também, para todo mundo que vou casar. Comemorei a cada mês a chegada do casório. Brindei cada novo contrato. Explodi de felicidade. Explodi de raiva. Fiquei irada. Fui humana. Irracional. Passional. Fui gente, mesmo!
E sendo assim, Gente, espero que 2012 seja uma explosão, novamente. Seja intenso. Seja bom. Seja único. Afinal ele vai ser o ano que vou casar. E então assim, 2012, começo a te brindar agora.
Te espero!

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Inspirações para uma paleta de decoração!

Imagem do Google
De todas as imagens que tenho na pastinha, poucas que contrastam com o que estilo que quero seguir. Algumas pela idéia, outras pela possibilidade em si, afinal fechar os detalhes do casamento é apenas mais perto da data.

Desde que comprei revistas e comecei a busca por imagens via net sempre vou para o mesmo estilo e cor. Também, para a escolha, me baseei no fato do casamento ser em Dezembro, fim da Primavera, pela manhã. Pensando nesses dados, importantíssimos, me vêem a cabeça suavidade, tranqüilidade, transparência, frescor. E eu só consigo imaginar duas cores que me passam todas essas sensações: branco, base para muitas decorações e verde.

Paleta base
Pronto, desde que resolvi essa composição básica de cores que não mudei de idéia (e espero não mudar!). Agregado as duas cores de base penso na variação do verde, sendo a primária o verde escuro, além do branco e talvez um nude ou off-white.

Mas, hoje, vendo a paleta de cores, lado a lado, começo a pensar em um detalhe em outra cor. Olha só: 

Possibilidade com amarelo

Possibilidade com roxo
Possibilidade com marrom


 
Os detalhes podem vir no convite, cardápio, porta guardanapo, lembrancinha. Não penso em um casamento com identidade visual muito coordenada, mas equilibrada nas cores. Ou seja, do convite aos demais itens, incluindo os que já citei ai em cima e a decoração, seguirem o mesmo esquema de cores. Claro que os convidados não saberão disso em um primeiro momento, mas ao chegar na celebração do casamento notarão.
Outro ponto que para mim, ainda é claro, é manter a mesma cor de decoração para casamento religioso e recepção. A igreja daqui da minha cidade é linda, assim sem nada, e não quero enche-la de muita informação, quero tudo clean.

Inspiração Maior- imagem do Google
Flores? Bem, não entendo nada de flores. Sei que quero brancas, com folhagens, muitas folhagens. Outra coisa que sei é que quero mosquitinhos na decoração da igreja e buchinhos, também. Agora, os arranjos? Faço idéia, não muito, mas espero pela decoradora!

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Inspirações e suspiros

imagem do Google
No meu computador tenho uma pasta só para os assuntos do casório. Dentro dessa pasta tem sub-pastas e sem dúvidas a que mais armazena arquivos é do vestido de noiva. Afinal, esse sempre foi meu sonho!

Todos os modelos que tenho salvo em imagem ou marcados nas revistas são próximos. Todos tendem para um estilo “princesa” e menos pro lado “sexy”. Todos têm renda. Todos são mais comportados.
imagem do Google


Assim sendo nem foi tão complicado escolher o estilo. O problema foi o modelo. Até quando resolvi parar de pesquisar e deixar acontecer na hora de experimentar e assim foi. 

A pasta ainda tá guardada, mas nenhum modelo me faz suspirar mais. Hoje eu suspiro pelo meu modelo. E é assim, conto os meses para me encontrar com ele, novamente!


segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

A espera acabou: Vestido de noiva!

A espera pelo vestido de noiva acabou! Agora o sonho ganhou mais brilho e se torna cada vez mais palpável e verdadeiro, real.

Comecei a busca pesquisando valores. De nada adiantaria ir a locais onde o valor estivesse fora do meu alcance. Além de ser desperdício de tempo, energia, seria, para mim, frustrante. Eu sei, eu sempre gosto do mais caro. Ok, cotei locais aqui da minha cidade.

Primeiro local:
Aqui na cidade mesmo. Venda de vestidos de noiva importados.
Atendimento 10. Vestidos 10. Valor um pouco fora da MINHA realidade. Pela primeira vez me senti noiva. Com véus, buque. O contra desse tipo de serviço é que após o casório ficaria com um vestido de noiva, lá, parado e guardado. Se fosse para vender a noiva teria que ter o mesmo biótipo que eu, gostar do mesmo modelo e mesmo assim iria desvalorizar a peça, já que se fosse o mesmo valor, a noiva vai direto e compra um novo. Minha opinião. Meus argumentos. Desencanei dessa opção!

Continuei a procura na cidade vizinha.

Segundo local:
Primeira e segunda locação de vestidos. Local em um bairro nobre da cidade.
Atendimento 10. Vestidos 10. Valor dentro das minhas possibilidades. Chego na loja, a vendedora me atende, muito simpática, pergunta o modelo e eu o descrevo. Ela sobre, separa o vestidos que atendam a minha vontade e eu subo para um salão grande. Começo a sessão de coloca a tira vestido. No quarto modelo, senão me engano, me sinto de VERDADE um noiva, experimento com o véu. Me vejo na igreja, na festa e ouço ao longe a vendedora dizer: “não é a noiva que escolhe o vestido, é o vestido que escolhe a noiva!”. Me senti escolhida. Minha mãe chorou! Entretanto, como já tinha marcado outros locais no dia seguinte, resolvi continuar a procura. De qualquer forma aquele vestido abrigou meus sonhos por todo o tempo.

Terceiro local:
Novamente primeira e segunda locação.
Atendimento 08. Vestidos não sei conceituar, pois todos ficavam pendurados em um local alto, todos amassados e apertados em um pequeno espaço. Não senti vontade alguma de experimentar, mas como estava lá e o outro local agendado era mais tarde, experimentei. Não me senti noiva. Não me senti linda. Nada! Quem gostou da brincadeira foram minhas primas e damas que ficaram escolhendo vestidos, experimentando vestidos de baile. Foi uma festa. E sim, eu levei acompanhantes, eu quis dividir minha felicidade, quis que fosse uma festa e foi!

Com tempo livre, pois a loja acima não rendeu muito, paramos em uma loja mega conhecida. Vamos ver o valor e só. A vendedora tinha tempo livre e então...

Quarto local:
Atendimento 10. Vestidos 10. Valor fora da minha realidade. Experimentei um tomara que caia lindo, sereia, fiquei realmente bonita, mas não era eu. Ser sexy não é uma das minhas principais características e, para falar a verdade, no meu dia de noiva quero me sentir princesa! Experimentei véu. Experimentei muitos vestidos. Não me senti noiva em nenhum. Aquele vestido continuava habitando meus pensamentos.

Liguei para a loja do dia anterior, a segunda loja, perguntei se podia passar por lá ainda no dia. A vendedora me responde que sim. Fico feliz. Muito feliz.

Quinto local:
Atendimento 08. Vestidos 08. Valor acessível. Subo no andar de cima, o vendedor pede que eu olhe os modelos, não encontro nenhum que seja meu sonho. Não me vejo de noiva em nenhum. Experimentei. Experimentei e nada! O vendedor me vem com um vestido de uma noiva que casaria na semana seguinte para eu ver se era o modelo dos meus sonhos. Era! Ele pergunta se quero experimentar. Eu respondo: “não, a noiva fez o vestido como ela sonhou, não acho justo eu experimentá-lo antes dela”.

E voltamos para a segunda loja.
Novamente atendimento 10. Pedi para experimentar, novamente, o vestido. Vou para uma sala menor. Coloco o vestido, o mesmo véu do dia anterior e novamente me sinto noiva. É ele. É com ele que quero me casar. O vestido cai como uma luva, fica perfeito com o véu e eu novamente sonho com o dia do casamento. Minhas primas e amiga-madrinha aprovam, fico mais contente. Tiro fotos e fecho o contrato.

E assim, em 03 de dezembro, eu tenho o vestido de noiva dos meus sonhos!
Feliz!

sábado, 24 de dezembro de 2011





Que o verdadeiro sentido do Natal esteja presente em todos os corações!!

Feliz Natal!

segunda-feira, 19 de dezembro de 2011

Os Natais da minha vida!


Imagem do Google
Os Natais, quando eu era criança, sempre foram muito animados. Tinha Papai Noel, espera na calçada, pedacinhos de barba pela casa, cartinha e presentes. Era uma ansiedade sem fim esperar amanhecer o dia 25 para poder brincar o dia todo com o novo presente.
Lembro-me de alguns Natais, quando ganhei minhas bonecas, meu patins. Lembro-me da alegria da surpresa, do presente embrulhado. Meu coração ainda suspira com essas lembranças!
Mas, fui crescendo. O encanto, como deve de ser, passou! E o Natal deixou de ser Papai Noel, presentes surpresas. Não sei em que momento da minha história  que o Natal começou a ser triste. Um ar melancolia envolvia e eu só conseguia pensar no dia 25, onde sim, era feliz. Onde tinha o Roberto Carlos na televisão!
A melancolia durou anos. Perdurou mesmo. E só perdeu esse ar quando comecei a passar com o noivo. Passar os Natais com ele foi me livrar da melancolia. Foi ter Natais felizes. Regado a muita champanhe, risadas no carro na volta e ficar juntinho no dia 25.
O fato é que esse ano o Natal e até o Ano Novo estão melancólicos. O quadro de saúde da minha avó piorou, não tem mais noite de Natal com ela. Não tem mais presépio iluminado e nem árvore grande de Natal. Não tem mais presente de Vó e nem Vó tão presente. O Natal continua sendo Natal, o que muda é a forma com que vivenciaremos esse dia.
Enfim... que o Natal desse ano continue ganhando a fama de feliz. Que eu possa viver mais Natais felizes e que no dia 25 eu tenha a oportunidade de poder passar mais um Natal com a minha avó e que Deus me conceda essa chance por anos a fio.

domingo, 18 de dezembro de 2011

História mais bonita!

Noivado! =)

18 de Dezembro. Hoje faz 01 ano!
Um ano que nosso história ganhou novos ares! Ficou mais bonita!
Um ano que passamos a sonhar pela realidade e a realizar nossos sonhos. Faz um ano que sou mais feliz! Faz um ano que sou noiva!

quinta-feira, 15 de dezembro de 2011

Todo dia 15


imagem do google

A um tempo faltavam 02 anos.
Hoje falta 01 ano. 12 meses. 365 dias.

Hoje eu acordei feliz. Muito feliz! Como tudo que nos cerca desde o princípio, o sentimento é intenso. Tudo é intenso! E quer saber do que mais? Que minha vida ao lado dele seja assim, intensa, até lá bem distante, até lá pro sempre. Porque é assim que eu quero viver, com ele.

Falta 01 ano!

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Dia de descansar!

Ah o verão... quantas lembranças boas eu tenho do verão que passei na praia.... e semana passada foi dia de reviver as lembranças, sentir o cheirinho do mar, ficar com o olhar perdido ao longe. Foi dia de descansar!
A única pergunta que restou é: quando nos encontraremos novamente, praia?

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Chuva de bençãos!

Creio que a somatória de dedicação e responsabilidade resultam o reconhecimento e que conseqüentemente essa equação gera sucesso. Claro! Pois o reconhecimento é a avaliação crítica de um trabalho que se propôs a fazer. Posso até dizer que reconhecimento é a resposta verdadeira de que a dedicação vale, e muito, a pena!
E vamos combinar, um dos combustíveis do bom trabalho é o reconhecimento. Um desempenho reconhecido gera gás para melhorar e continuar caminhando. Pois bem, essa semana tive dois grandes momentos de reconhecimento da minha trajetória profissional e principalmente da dedicação que exerço no meu trabalho e, principalmente, naquilo que me proponho a fazer!
Começo a semana recebendo um email fantástico da Unimed chamando para assinatura do contrato de prestação de serviços em Terapia Ocupacional. Céus, tem coisa melhor do que fazer parte do convênio onde os profissionais que eu mais admiro fazem parte? Foi um longo processo que com a assinatura do contrato quase se finda, faltando apenas o treinamento. Muitos vivas no começo da semana.
Termino a semana com um email da franqueadora (sim, minha empresa é uma franquia) pedindo autorização para fazer o uso da minha imagem a nível nacional, pois fui uma franqueada de sucesso nesse ano de 2011. Como assim? Aceito na hora, permito sim. Pois é o reconhecimento do bom trabalho que enlouquece para fazer e prestar.
E quer saber do que mais? Eu não consigo inflar meu ego. Mas consigo, desde o começo da semana agradecer incansavelmente a Deus, pela oportunidade e, principalmente, pela possibilidade de poder ser melhor a cada dia. Porque creiam, quem cresce a cada dia nesse contato com cuidadores, clientes, pacientes, familiares, sou eu. Tenho certeza de que hoje eu sou um ser humano muito melhor do que a tempos atrás. Também tenho certeza de que eu, ainda posso, ajudar muita, mais muita gente e que esse é o meu papel e objetivo no mundo que vivo e na profissão que felizmente escolhi.
Novamente, obrigada Meu Deus pela chuva de bênçãos!

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Passeio a trabalho!

São Paulo é uma cidade cheia de opções culturais, artísticas e turísticas! Confesso me muito me atrai a quantidade de opções para divertimento, mas me cansa muito o tempo gasto no trânsito e em deslocamento.  Alias, isso me irrita e muito, pois acostumei no interior a acordar não muito antes de ir pro trabalho e sair de casa 05min antes do horário e, olha, dá tempo!

Pois bem, minha profissão me permite trabalhar e passear algumas, poucas, vezes no ano. Ano passado foi para Águas de Lindóia e Monte Sião e esse ano foi para SP: Mercadão Municipal e 25 de Março. Afinal esses dois pontos são realmente pertinhos um do outro, como eu sequer imaginava.
E eu, como boa interiorana, não conhecia esses pontos da Capital, alias, conhece bem poucos. Descemos na frente do Mercadão e como o dia colaborou nossa ida a 25 foi bem tranqüila e pouco calorenta. O tempo tava bom e tinha pouca, em comparação a outros dias, gente passeando por lá. Deu tempo tranqüilo de andar, andar e andar mais um pouco. Mas céus, meus pés, não são preparados para tanto.
Já sabíamos que o almoço seria no Mercadão, mas em nenhum momento eu me arrisquei a comer o (big) lanche de mortadela. O que? Eu teria que voltar o interior! Independente, o pastel de queijo de lá é, também, uma belezinha de delícia. Comi facinho e comeria outro nesse exato momento! Hmmmm....
Isso já passava da hora do almoço e meu pobre corpinho sedentário não agüentou muitos bordejos pelo mercadão. #fato. Acabei experimentando algumas frutas em uma banca e descansando meus cansados pés por algum tempo.  Fiquei lá, sentadinha, observando os vitrais do Mercadão, a imensidão daquele mercado e a quantidade de frutas deliciosas que vendem lá. Aliás, frutas selecionadas é o foco do mercadão, são de altíssima qualidade e deliciosas de degustar. Dá vontade de comer e levar tudo!
Ah, Mercadão. Ah, pastel de queijo. Te quero de novo!

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Todo dia 15

Fecho os olhos e consigo ver, nós dois, rodopiando pelo salão! O mundo lá fora parado e apenas nós dois....
Hoje o sonho teria essa trilha sonora:
video
                                                                       vídeo do Youtube


Falta 1 ano e 1 mês.

domingo, 30 de outubro de 2011

Postura cidadã

Como profissional da área da saúde, tenho observado o movimento que tem acontecido sobre a parada ILEGAL nas vagas destinadas a idosos e pessoas com deficiência. Esse movimento nunca foi tão forte e com tantas pessoas engajadas como no presente momento. Bom, isso não é mesmo?
Sim, muito. Acontece que ainda tem muita gente que não se sente tocado por toda a campanha para a responsabilidade cidadã consciente e continua acreditando, erroneamente, que essas vagas pré-determinadas ainda podem ser usadas para qualquer fim.

imagem retirada do Gooogle

Essas vagas têm no solo a simbologia pintada, indicando a particularidade da vaga. Assim como placa referente ao uso indevido e população que se aplica. Por fim, quem está autorizado a parar nas vagas para pessoas com deficiência física são carros que possuem selo, indicativo da deficiência, colados no vidro da frente e de traz dos carros. Esses selos são azuis, que nem esse aqui:
Isso significa que se seu carro não possui esse selo, essa vaga não pode ser utilizada por você NEM POR UM MINUTO!
Muito simples, não é mesmo? Não, não é.
Semana passada eu estava parada no centro da cidade. Uma parada de cerca de 45 minutos. E ao meu lado tinham duas vagas reservadas para pessoas com deficiência física. Ví muito carros darem ré, para pararem nas vagas e irem embora.
Mas, também vi um carro dirigido por um senhor, de cerca de 50 anos, parar na vaga reservada e descer do carro. A acompanhante também desce. O casal se dá a mão e entra e m um consultório odontológico. Assim, como se nada tivesse acontecido! Tirei fotos com o celular, várias fotos, com o intuito de enviar para o jornal da cidade, denunciando mesmo!
Menos de 15 minutos depois, outro carro vem e estaciona na segunda vaga reservada e desde dele uma jovem, cerca de 35 anos. Nesse caso ficam no carro o acompanhante e uma criança. Essa pessoa demora cerca de 15 minutos, volta e vai embora. Pode ser? Não, não pode. Essas vagas não são para parada em nenhuma circunstância. Tirei, novamente, mais fotos.
A verdade é que fiquei muito incomodada com as duas situações que presenciei. Não é justo com quem precisa dessas vagas, principalmente porque a situação em si de ser uma pessoa deficiente física que necessite de disposições adicionais para ser independente limita o desempenho das atividades. Imagina você, chegando no centro da cidade para ir ao banco, por exemplo. A vaga onde você pode parar, que tem rampa de acesso próximo, normalmente ao lado, está ocupada. Você precisa parar em outra vaga e sem rampa de acesso e para chegar ao banco precisará se locomover, de cadeira de rodas, pela rua. Sentiu o problema? Percebeu a dificuldade?
Diante da minha profunda indignação e do compromisso que assumi quando me formei profissional da reabilitação resolvi ligar para o Departamento de Trânsito. Fiz uma denúncia indicando o local e tudo que eu tinha visto.
Alguns minutos após, cerca de 30 minutos, voltei ao local e encontrei a viatura do transito, me identifiquei e contei que tinha efetuado a denuncia. Pude ver que carro, aquele primeiro, estava ainda estacionado e MULTADO e tinha outro carro estacionado, um terceiro infrator, multado também.
Me senti como? CIDADÃ.
E a partir de agora vou denunciar sempre que presenciar essas infrações. É assim que defendemos os direitos de todos nós. É assim que o Brasil começa a mudar e é assim que infratores aprenderam: colocando a mão no bolso e posteriormente, na consciência. É assim que eu espero!

domingo, 23 de outubro de 2011

O que será que é?

Desde quarta-feira que minha garganta está bem ruinzinha, depois veio a dor de cabeça, depois a dor no corpo e assim foi até sexta-feira, quando decidi, devido a alergias por medicamentos que tenho, ir ao médico.

Diagnóstico? No exame clínico nenhuma evidência de infecção de garganta ou de qualquer outro problema que justificasse a queixa.

imagem retirada do Google
O provável diagnóstico? Dengue.
A recomendação? Atenção se tiver febre. Paracetamol para dor e spray de garganta.
Melhorou! Mas sábado foi dia de ficar embaixo do cobertor, tarde toda, dormindo, com dor em tudo e sem febre. Hoje foi melhor. Nada de maiores dores, só na cabeça, mas com coriza.
Agora eu só queria que essa pseudo dengue ou pseudo gripe “desemcube” logo. Vamos combinar, ou fica doente logo ou fica bom logo?

Boa semana para todos!

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Obrigado Pai!

Pai, to precisando de uma coisa. Me ajuda a comprar? (noiva proletária vive esse dilema!)
E meu pai, muito paciencioso, retruca: Vamos ver, vamos ver!

Continue namorando o meu novo achado. Sonhando com ele e usando todas as minhas forças para ter uma grana sobrando.

Hoje chego do trabalho. Me deparo com vários saquinhos de moedas e pergunto: Quem foi que colocou essas moedas aqui no meu quarto?
E meu pai, muito paciencioso, responde: Fui eu!

Fui contar cada moedinha, achando que não passaria de R$5,00, afinal muitas eram de R$0,01.  E para minha surpresa, passou. Passou bastante!

Ah viva. Universo, seu lindo.
Ah pai. Obrigado por cuidar com tanto zelo de cada sonho, mesmo pequeno, que tenho. Por tantos outros motivos que eu amo você.

sábado, 15 de outubro de 2011

Todo dia 15

Hoje foi dia de falar de casamento. Praticamente o dia todo!
Prima que casou a pouco fala de casamento.
Eu que casarei falo sobre casamento.

E assim foi o dia e quer saber do que mais?
Hoje é dia 15 e as únicas palavras que ecoam na minha cabeça são:

“Sim, eu aceito!”.

Falta 1 ano e 2 meses.

segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Quero!

Casar.
Meu sonho de menina. Meu príncipe de menina.
Hoje casar é a minha realidade de mulher, no sonho que sempre tive desde menina. É bom, é ótimo ter a possibilidade de realizar esse sonho.

E é tamanho sonho que eu me perco nele, me perco nas horas que gosto de gastar na procura por idéias, na procura pelo melhor. Não quero que seja qualquer casamento, quero a realização do meu sonho. Sabe assim?

Quando começamos a planejar o casamento eu não queria várias coisas. Hoje, mudei. Hoje, eu quero!

Quero e-session.
Quero damas adultas.
Quero luvas, com terço e buque.
Quero mantilha, véu curto.
Quero ver logo meu vestido de noiva...

Mas, principalmente, quero tranqüilidade. Quero que junto com a Primavera venha a tranqüilidade, a paz dos dias quentes. Quero que o turbilhão que destelhou minha paciência se torne passado. Enfim, quero que chegue logo o dia 15 de Outubro e sabe porque?

Por que no dia 15 de Outubro faltará, apenas, 1 ano e 02 meses para o casamento.

quinta-feira, 15 de setembro de 2011

Todo dia 15

Imagem do Google


Dia 15. Todo dia 15 eu penso: “você é a diferença no meu sonho de menina”. Tenho vontade de dizer isso todo mês, todo momento, porque é essa a verdade.

Falta 1 ano e 03 meses.

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Tempo? Que tempo!

Acabo de ouvir no jornal: “a semana terminou...”. Poxa, eu não senti essa semana passar. A tranqüilidade do feriado e a ansiedade da sexta-feira não aconteceram, simplesmente porque não tive tempo de pensar sobre.

Trabalhei enlouquecidamente essa semana. Tanto fisicamente, quando mentalmente. Foi uma semana estressante ao extremo, onde fui chamada a testar todos os meus limites. Mas, creio que não é apenas isso!

Tenho notado que o tempo tem passado mais rápido do que quando eu tinha 10 anos. Sim, porque quando eu tava na escola lembro que demorava taaaanto para chegar o Natal. Que colocar no caderno uma data do mês de novembro era surreal, de tanto que demorava para chegar.

Hoje, tenho visto o tempo voar. O Natal do ano passado ainda me dá a sensação de que foi ontem. E estamos bem próximos dele, novamente. Dúvida? Presta atenção! Setembro. Final de Outubro começam propagandas de Natal, venda de enfeites, os locais começam a ser decorados e quando nos damos conta, estamos em Novembro. Começo de Dezembro a vida vai parando, todo mundo planejando as festas (na minha família já começamos a comemorar uns 15 dias antes, portanto, comemos muito o mês todiiinhos! haha) e pronto: Natal chegou, Ano Novo, também.

E, não mais que de repente, plim: 2012. Poxa!
Atualmente tenho marcado compromissos profissionais para Novembro. Tenho renovado contratos até começo do próximo ano. Estamos planejando o fechamento do semestre. Providenciando mudanças na empresa. E por ai, vai.

Mas, quer saber?
Eu to torcendo para que chegue 2012 logo. Eu to torcendo para a minha merecida semana de recesso em Dezembro. E quer saber do que mais? Eu amo Natal e Ano Novo, por mim o planejamento das comemorações podem começar é já.

quarta-feira, 31 de agosto de 2011


imagem retirada do Google




Já dizia Luis Fernando Veríssimo:

“Quando a gente acha que tem todas as respostas,
vem à vida e muda todas as perguntas ...”


terça-feira, 16 de agosto de 2011

A melhor Terapia!

Sou Terapeuta Ocupacional e já citei isso em algum momento. Sou por amor, paixão ardente. Amo ser TO, amo pensar o ser humano como um ser ocupacional.  Preparo atividades, fico lendo muito sobre a profissão e reflito diariamente sobre o impacto da doença no desempenho satisfatório das ocupações de cada indivíduo.

Atendo uma linda e simpática criança. Uma menina que teve Paralisia Cerebral e por isso processamento cerebral dela é diferente do nosso e meu papel como TO é ser a catalisadora das vontades dela, é auxiliar para que ela se torne, cada dia mais, independente, é favorecer o lúdico, enfim, meu papel é grandioso.

Hoje foi dia de atendê-la. Como faço semanalmente, 2x por semana. Mas, o atendimento de hoje foi a melhor terapia que já consegui fazer com ela.

Pensei em fazer um bolo fictício, mas que ela entendesse que é um bolo, era preciso que os ingredientes fossem os mesmos do bolo de verdade. Mas, também, como atendo em uma clínica, assar o bolo não daria, então não daria para juntar todos os ingredientes e perdê-los. Ok, leve farinha de trigo, peguei água e umas frutas de plástico, daquelas que se colocadas no congelador viram gelo. Mas, combinei com a mãe dela que em casa vão fazer o bolo de verdade!

Comecei a terapia com estimulação sensorial, tátil, apenas no trigo. Depois acrescentei água, frutas e quanto vi já tinha feito aquela lambança com a massa, usando as mãos. Não contente, coloquei o pé dela na mistura e ai sim foi massa pela sala inteira.

Eu ouvi minha paciente gritando, rindo, tagarelando. Perguntei diversas vezes se ela estava gostando e da sua maneira ela dizia que sim. 

Ao fim do atendimento, ela estava suja, eu estava zuada e a fisio foi a menos ilesa e ficou com poucas marcas.

Terminamos no banheiro da clinica, dando banho nela. Ela gritando e ainda conversando muito. Eu feliz da vida e com a certeza de que foi a melhor terapia.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Eu quero!

Das certezas que tenho com detalhes do casório, umas delas é que não quero Chá de Panela.
Primeiro porque o que conheço da cozinha são os locais de onde estão guardados meus alimentos preferidos. Também sei onde está o fogão e o chá para fazer, apenas.
Segundo porque quero uma cozinha coordenada nas cores, isso inclui móveis  e utensílios. E ninguém tem que saber a cor que eu gosto e eu, também, não curto estipular cor.
Terceiro porque eu não gosto daquelas brincadeiras de descobrir o que é, ficar zuada e pagando mico. Não sou a pessoa mais tímida do mundo nem a mais extrovertida.

Foi aí que fiquei totalmente “in Love” com o Chá de Lingerie. Entretanto, algumas questões ainda me deixavam preocupada.
Primeiro que as convidadas para o chá serão, também, para o casório, ou seja, vão gastar duas vezes.
Segundo porque eu não quero ganhar modelos que eu não use e depois ficar quebrando a cabeça para fazer trocas e, muito provavelmente, integrar o valor para pegar outra peça.

Enfim, dúvidas.
Mas, ontem, foi dia de fazer curso de maquiagem com duas primas. O local é muito bacana, de bom gosto. Lá são vendidas lingeries e itens correlatos. E o que isso tem a ver com toda a história do chá de lingerie?

Porque lá eles fazem o Chá de Lingerie. Com direito a palestra sobre sexualidade, alguns mini cursos para as mulheres, alguns brincadeiras, além de um mini coquetel, com direito a vinho frizante, canapés, bolo e brigadeiro. Do total pago por pessoa, é tirada uma quantia para a noiva pegar em lingeries. A duração do chá é de 04 horas.

AMEI! Era isso que eu queria. Era assim que eu pensei. O único problema?
Um precinho bem salgado por pessoa, mais do que o valor do Buffet que vai fazer a festa do casório. Tudo bem que seriam apenas 20 mulheres, mas o valor fica bem altinho.

A saída? Não sei. Mas sei que passei a bola para uma amiga/madrinha resolver a pendência, com os seguintes dizeres: “quem organiza o chá são amigas e madrinhas da noivas, então se vira, porque quero um local assim para o meu chá!”.

Eu quero, eu quero, eu queeeeeeeeeero!

domingo, 7 de agosto de 2011

Irritação mode on

Eu já disse, em algum momento, sobre minhas profissões. Ambas são interligadas e se complementam em algum momento.

#Pausa
Sou Terapeuta Ocupacional por paixão e empresária por opção e inicio de uma paixão.
# Despausa

Minha empresa é de cuidadores de pessoas. Ou seja, somos integralmente responsáveis legais, pela gestão e técnica dos profissionais. Toda essa responsabilidade inclui a formação continuada, o monitoramento e a supervisão semanal, buscando a melhoria dos serviços que prestados as pessoas que necessitam de acompanhamento na realização das suas atividades, seja por motivos temporários ou permanentes, seja por poucas ou muitas horas e por pouco ou muito tempo. O importante é o bem atender, o bem cuidar.

Como sou responsável legal por esse funcionário, qualquer coisa que acontece, eu sou a referência. Portanto, meu celular fica ligado 24hs por dia e 07 dias por semana, ou seja, o tempo todo. Esquema de plantão mesmo. E é essa vida que escolhi e isso é apenas uma constatação.

Atendo cuidador e cliente a qualquer dia e horário, independente de onde esteja. Monitoro cuidador aos finais de semana e também faço reunião de feed back com clientes nesses horários.

Imagem retirada da internet
Acontece que de uns tempos pra cá, pessoas interessadas em contratar o serviço tem ligado em horários surreais, como por exemplo: sábado as 20hs, ou mesmo durante a semana, mas por volta das 21hs.  Também tenho recebido ligações de pessoas interessadas em abrir uma empresa igual a minha, o problema é que elas conseguem o telefone da minha residência e ligam aqui, na maior, as 21hs... como acabou de acontecer hoje, domingo, as 21hs.

Como já disse, atendo clientes e cuidadores a qualquer horário, afinal isso faz parte do serviço que presto. Agora, cadê o bom senso das pessoas? Cadê a educação?

Tô irritada pela falta de bom senso das pessoas. Não, não to irritada. Tô puta mesmo!

terça-feira, 26 de julho de 2011

Dia dos Avós

Minha família é grande, tanto do lado de pai, quanto de mãe. Entretanto, só tenho avós maternos e ambos com quase 90 anos.

Lembro-me que quando criança meus domingos eram na casa da minha avó. Sempre ia com o meu shortinho e camiseta mais velhos, porque brincava na terra, subia nos pés de goiaba, andava descalça, de bicicleta, de patins. Corria, gritava e pulava. Em um flash de memória ouço minha mãe dizer: “vai lavar o pé, Camila. Você não pode ir embora daqui com esse pé preto!”.

Também lembro que quando eu ficava doente, era lá que eu passava o dia. Minha avó fazia torrada de pão de forma com manteiga e groselha. Hmmmm, consigo até sentir o cheirinho. Também tinha comida de vó e bolacha no fim da tarde. Quando meus pais saiam, eu dormia lá, também, em uma camona de casal e ficava até altas horas brincando com as minhas primas, até meu avô abrir a porta do quarto e por todo mundo pra dormir.

Eles já me levaram a missa, para viajar, pra comprar presentes. Eles fizeram parte da minha vida tanto quanto meus pais. Me ensinaram valores, não aqueles ensinamentos distantes, mas bem próximos, que se aprende na convivência. Me ensinaram a religião. Me ensinaram a ser gente. Enfim, são a base da minha história!

Até que uns 05 anos atrás passamos um estresse emocional muito forte, meu avô quase morreu de problema cardíaco e ficou quase 01 mês hospitalizado. Voltou para casa, se recuperou e depois disso, minha avó nunca mais foi a mesma. Começou esquecendo a agenda de telefones no quarto, depois na geladeira e hoje.... hoje ela esquece que dia da semana é, que ano estamos, onde está! [tristeza profunda]

Hoje ela não cozinha mais, quase não sai sozinha de casa, não tem muito assunto e nem faz mais torradas de pão de forma com groselha. Hoje, quando precisa, eu ajudo-a no banho, coloco para dormir, ficou escutando a mesma história diversas vezes. Hoje quem fica beijando-a e abraçando-a sou eu.

Hoje minha avó tem Alzheimer, meu avô está cansado! Hoje eles são mais lição de vida pra mim, do que eram quando fui criança. Hoje eu vejo o quanto eles são fortes e do quanto é a dimensão do amar.

Principalmente, hoje eu vejo o quanto é bom ter avós e agradeço todos os dias por isso.
Hoje é dia 26 de Julho, DIA DOS AVÓS!

domingo, 24 de julho de 2011

Help-me

Please!

Alguns blogs que estou seguindo não aparecem na listagem ao lado (das atualizações). Que faço?
Tô perdida!

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Mais um passo!

As palavras não conseguem fazer sentido na minha cabeça, ou melhor, eu não consigo fazer com elas se encaixem e tenham sentido. Tô feliz! Tô (mais) certa da minha escolha....

Sou de uma família com grande teor de educação religiosa. O pessoal é praticamente te atuante e foi assim que eu cresci, nesse meio. Sempre fui a missa, sempre celebrei dadas religiosas, e, principalmente, segui os preceitos propostos. Opinião pessoal, ok?

Para mim tudo isso faz sentido (teve uma época que não fazia, mas hoje faz muito!) e por isso que quando comecei a resolver detalhes do casamento o principal e primordial sempre foi a celebração religiosa, o sacramento do matrimônio.

Meu noivo tem a mesma formação que eu e por isso para ambas o sacramento é prioridade. Concordamos quanto a casar no religioso, da importância e da nossa união ser uma tríade com Deus. Vamos combinar que ter um noivo com a mesma convicção religiosa ajuda bastante....

Assim sendo, a minha ansiedade era pelo curso de noivos, afinal, para quem pratica e quer o sacramento, fazer o curso de noivos é praticamente estar na porta da igreja, ou seja, quase lá.

E domingo nós fizemos. Mais um passo da nossa caminhada!
Tinha ouvido muita gente falar sobre o curso de noivos. A maioria que era chato e bla bla bla. Olha, cansativo foi, pela quantidade de horas (13), mas independente foi MUITO rico. As reflexões que fazemos durante todo o tempo que são o essencial para quem quer viver o matrimônio. É pensar na paternidade, educação dos filhos, formação de uma nova família, espiritualidade e por ai.

A reflexão foi única, mas a felicidade é de ter feito mais esse passo. Ainda não acredito que vou casar, mas esse passo me aproximou um pouco mais dessa realidade.

Tô feliz!
*  imagem tirada do Google.

segunda-feira, 4 de julho de 2011

Câncer de Mama

Minha cabeça tem doido desde o início da tarde de hoje. Eu já estava com tudo desligado, incluindo internet e note, estava na minha cama, desmontada. Mas, não pude deixar de registrar o que acabo de ver no Jornal Nacional.

Essa semana o Jornal Nacional irá exibir uma série de reportagens sobre o Câncer de mama. A de hoje foi sobre o mamógrafo, o exame inicial para detecção do Câncer de mama. Parabenizar é pouco, pois a matéria foi ótima e a denúncia melhor ainda.

Moro no interior de São Paulo. Para a minha cidade tem apenas 1 mamógrafo, na rede pública de saúde, devido a quantidade de habitantes. Esse mamógrafo tem fila de espera de, aproximadamente, 2 meses, variando para mais ou para menos. Quando a mulher chega com pedido de urgência a mamografia é realizada em até 24 horas. Um tempo razoável, nesse caso. Mas não quando se trata de exame rotineiro. Para organizações internacionais, o tempo entre o diagnóstico e o início do tratamento é de 2 meses, ou seja, aqui, os 02 meses são para fazer o exame.

Quando confirmado o nódulo e sua possível malignidade, a mulher é encaminhada para o mastologista, que faz a biópsia e posterior cirurgia. Na cidade temos apenas 1 mastologista e não temos oncologista e, conseqüentemente, não se tem o tratamento na cidade, apenas nas referências da cidade vizinha. O início do tratamento tem demorado bastante, algumas mulheres esperam em torno de 1 mês e meio.

Essa é a minha realidade diária. Não tenho Câncer de mama, mas sou Terapeuta Ocupacional em uma ONG que presta assistência a mulheres que tem ou tiveram Câncer de mama e vejo essa história dia após dia.

É demora no exame. É profissional despreparado para fazer o exame clínico da mama. É um mastologista na rede. Não tem tratamento na cidade. Tratamento demora. São mulheres novas, em torno dos 30 anos, com Câncer de mama. São idosas com o mesmo agravo. Mulheres perdem a mama toda, mesmo manifestando a vontade de preservá-la. E, depois disso tudo, muitas mulheres não são orientadas a procurar outros profissionais de saúde, como: fisioterapeuta, nutricionista, psicólogo, terapeuta ocupacional, assistente social. Essa equipe é que vai dar todo o suporte durante todas as fases, desde a suspeita, passando pelo diagnóstico e acompanhando a cirurgia e tratamento.

Portanto, a iniciativa de fazer reportagens sobre esse problema é louvável, pois o número de casos de Câncer de mama tem aumentado ano a ano e se tornado um problema de saúde pública. Se grandes mídias não ajudarem a denunciar tudo isso, nada poderá ser mudado.

E, antes de qualquer coisa, diagnosticar um Câncer de mama no início aumenta as chances de cura e só se diagnostica fazendo auto exame mensalmente a mamografia periodicamente.

Sites interessantes para maiores informações:

* imagem retirada da internet.

sexta-feira, 1 de julho de 2011

Decisão do dia!

Tem uma comunidade no Orkut (salve, salve, Orkut abandonado!) para as pessoas que trabalham muito. Adoro essa comunidade, embora eu nunca tenha entrado na dita cuja. Enfim...  trabalho muito, trabalho nos finais de semana, feriados, e ás vezes mais de 12 horas diárias. Não, isso não é uma reclamação, é apenas uma constatação!

A questão é que como profissional da saúde, um emprego não se basta. É necessário complementar, a renda e os conhecimentos e partir para mais de um. Não precisa ser também váaaarios de um absurdo, mas 02 ou 03 é super normal na área. Eu, até então, tinha 03 mais minha empresa, que me vale como uns 02. hahaha. Pois bem, faço porque gosto, faço porque aprendo. E, principalmente, faço porque quero!

Pois bem, desde abril vinha atendendo em uma clínica de idosos (adoro idosos!  e adoro o trabalho com eles!). Atendi, primeiramente 05. A clínica não me pagou o combinado e ainda pediu que eu entrasse em contato com a família para a família pagar. Entrei em contato e me sobrou apenas 01 idoso para atender.  A clínica me pagaria um x e a família mais um x. Nada de suuuper renda, mas uma valor justo pela tabela da profissão.

Atendi maio inteiro. Atendi junho inteiro e hoje é mesmo que dia? Ah, 01 de JULHO e recebi MAIO apenas hoje. Inacreditável. Até então eu estava indo, até que hoje parei e fiquei pensando: estou indo porque gosto, porque a idosa precisa, porque quero. É perto de casa, não gasto muito, é apenas 01 hora. Mas, entrar nessa bola de neve de receber atendimento após 02 meses não estava nos meus planos. Não acho justo com o profissional essa situação de não receber. Se não tem condições, nem sei se é esse o caso, avisa, mas ficar “deixando para lá”, é algo completamente desagradável. É o mesmo que não valorizar o trabalho realizado, pois atendo 01 hora, entretanto tenho um trabalho extra fora de lá ao pensar em atividades, objetivos e planos de tratamento.

Pensei, pensei. Cheguei na porta da clínica ainda em dúvida. Entrei! E quando vi que o valor que tinha lá era o de Maio, AINDA. Me estressei. Avisei a enfermeira chefe que não iria mais, que entraria em contato com a dona da clinica e não iria.

Por favor! São 02 meses e vou receber agora? Não é justo, não é legal. Sou profissional, faço um trabalho de qualidade e quero reconhecimento por isso.

A decisão ainda não desceu redondo. Ainda to um pouco triste, mas foi o limite. Foi o basta. Agora só me resta saber quando vou receber o valor referente a Junho. Será que em Agosto?

segunda-feira, 27 de junho de 2011

A espera do email

A sensação melhor quando se é noiva é fechar os contratos com os fornecedores. Parece que é mais um passo no jogo do caminhar até o grande dia!

Primeiro foi a cerimonial. Um doce, um anjo em forma de pessoa que tem me ajudado na escolha de fornecedores e a ficar calma, pois tudo dará certo.  Depois foi o fotógrafo, o concorrido da cidade e o melhor. O próximo passo foi o salão, alias, pausa para o drama:

#salão: busca incessante por esse local que deveria ser claro, para luz do dia, bonito, clean, fácil localização, com paisagem, preço acessível e nossa, só isso, não?! Tava difícil, claro. Mas conheci um Hotel na cidade do lado, a princípio foi para tirar a prova dos 09, não é assim que dizem? E me admirei. Amei o local. Lindo, como eu queria. Agora faltava a opinião do noivo, que como noivo pensava em outros detalhes e como ator principal do casamento tem que ter sua opinião levada em conta. Ok, ele conheceu e também adorou! Pronto. Salão resolvido! #

Então o contrato seguinte foi o do salão. E que aproveitando que é um Hotel, já fechamos a suíte para a noite de Núpcias. Suíte presidencial! Adorei, um luxo, lindo. Tô sonhando super com tudo! E, agora, o próximo é a decoração.

Tô atualizando meu email pessoal a cada 05 minutos para ver se a decoradora enviou mais alguma informação. Cotei várias e gostei demais dessa que estamos negociando, ela deu idéias ótimas, interessantes, que ficaram lindas. Vamos ver o valor disso tudo e fechar, o quanto antes. Novamente, é mais um passo e menos uma coisa no rumo ao altar.

Agora, será que demora muito para ele me enviar o email? Vou morrer de ansiedade do lado de cá!

quinta-feira, 23 de junho de 2011

As idas e vindas do tempo...

Sempre me achei menina, moça, mas nunca mulher. Dependia financeiramente dos meus pais. Depois, quando me livrei da dependência financeira, continuei com a dependência emocional. Ou uma coisa ou outra controlava minha vida e quando se depende de alguém a vida, ainda, não é 100% sua. As escolhas não são 100% suas. E isso é um enclausuramento sem tamanho. É como não ter vontades, é como ter que reprimí-las, é como ter que abdicar dos preceitos que se acredita. Filosófico, mas é!

A dependência emocional me levava a não dirigir. Paura, pavor, medo, crises de ansiedade não me deixavam pegar o carro por ai e sair guiando minha vida. É como se isso não fosse para mim. Que eu não conseguisse guiar minha vida, apenas decidindo por mim mesma. 

O mais complicado disso tudo era assumir que eu PRECISAVA resolver tudo isso. Eu preciso dirigir por causa da minha vida profissional e depender sempre estava ficando fora de cogitação, estava ficando fora do controle. Até que sexta-feira, ainda com uma grande parcela de medo, peguei o carro e fui dirigindo até meu trabalho, a 05 minutos da minha casa, mas os 05 minutos que mais em mim, comigo, parcera de mim mesmo fiquei.

Me dei forças, me ajudei, me acalmei e cheguei dirigindo sozinha. Ainda com vontade de chorar, ansiosa (pensando no caminho da volta), ainda com medo e mais um monte de sentimentos. Também tinha vontade de ligar para todo mundo e dizer que tava dirigindo sozinha. Sim, fiz sozinha. Fui sozinha, sou sozinha!

Amanhã faz 1 semana que resolvi ser melhor. Que resolvi melhorar. Que resolvi ser dona da minha própria história. Que resolvi ser liberta, solta, sozinha. Vou pelo caminho que quero, fico quieta quando tenho vontade, ouço música quando to afim, fico comigo.

Além de ser melhor, grande resolução essa, resolvi ser gente grande. Ser mulher, ser madura, crescer. Resolvi que quero ser livre. Quero voar, quero decidir, quero ir para onde eu quiser, quando eu tiver vontade e essa sensação nada paga!

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Feira de noivas

Esses últimos dias tem sido difíceis. Tanto pelo trabalho, tanto pelo casório.
Tem sido complicado a lida com pessoas, contratos que não se renovam, pessoas que querem o serviço para ontem e por ai vai! Mas tem sido difícil decidir coisas, detalhes, locais.

Domingo teve feira de noivas. Eu fui, claro! Mas, me deparo com tantos detalhes, que custam dinheiro-óbvio- que até me canso de pensar e minha conta fica roxa de negativa só de querer! Agora quero uma banda, foi lindo. Uma banda tocando, daquela que animava meus carnavais no clube, quando era mais nova e pulava várias e várias noites. Um dejavu total! Fiquei feliz com as lembranças, mas queria essa banda no casório. Mas, como tudo, não sei se vai dar e fiquei cabisbaixa.

Também dei uma olhada em convites, que olha, tinham várias opções e todas muito bacanas. Ví lembranças, vi minha cerimonial querida e ví muita gente conhecida (morar no interior é sempre a mesma história!). Por fim, quase passei mal como valor de alguns noivinhos. Como assim, um casal de noivinhos custar quase R$400,00? Sem chances! Vou ter que colocar em prática minha cabeça criativa, os bons contatos, as idéias diferentes, porque esse valor, nem em sonho!

A dúvida que me confunde são os detalhes ou grandes serviços? Quais deles que quero, quero os dois, quero um, não quero nenhum. Não sei. Tô confusa.

Amanhã é dia da possível decisão do local e Buffet da festa. Tô numa ansiedade sem tamanho e com expectativas boas. Tomara que amanhã esses detalhes sejam resolvidos.

Assim espero!

quarta-feira, 18 de maio de 2011

Impeto de coragem!

Todo dia 18 foi motivo de lembranças boas. Desde ano passado foi melhor ainda! Hoje é dia 18, dia das boas lembranças, dia de trocar mensagens bonitinhas e de ficar suspirando.

Aproveitei, num ímpeto de coragem, e parei de ficar só lendo mensagens trocadas em uma comunidade de rede social  sobre casamentos em 2012 e resolvi entrar. Ainda motivada por essa coragem repentina (que me deixou um pouco com menos vergonha!), mandei mensagem. Céus, eu morro de vergonha de me pronunciar.

Agora o dilema que rege minha vida é o salão. Aqui onde moro salão não está tão acessível quanto eu achava, baseada nos orçamentos do ano passado. Tudo subiu, de uma forma absurda. E hoje, após ver 03 locais acessíveis, me deparo com o 04°, não muito acessível e me pego sonhando com esse bendito: branquinha, cheio de vidros para entrar a luz do dia, piso clarinho, novo, bem localizado, um sonho! Inclusive combina até com um detalhe da decoração que quero fazer. O preço? Bem, esse não está o valor que eu esperava, mas, pelo correr das coisas, essa é uma das minhas opções preferidas.  Amanhã vou visitar outro local, final de semana que vem tem feira de noivos do Shoppping e vou olhar também. Se nada me encantar com o bendito salão branquinho, clean e novinho, esse será o destino da minha festa e o fim das minhas economias.

Se bem que fiquei pensando ontem a noite: fim das economias, maior tempo pagando algumas coisas, menos dinheiro guardado.... MAS, um sonho, uma só vez, a lembrança eterno.... compensa mais. Isso eu não duvido. É meu sonho, meu sonho maior: casar com o meu noivo! Pois bem, esse ano foi dedicado a isso, os demais gastos terei a vida toda para fazê-los. Esse impeto de coragem respentinha podia aparecer quando eu for visitar, novamente, o salão do sonho e me fazer fechar o contrato na hora. Será que vira?

Tem algum Santo protetor de noivas? Preciso rezar muito pra ele!