segunda-feira, 4 de julho de 2011

Câncer de Mama

Minha cabeça tem doido desde o início da tarde de hoje. Eu já estava com tudo desligado, incluindo internet e note, estava na minha cama, desmontada. Mas, não pude deixar de registrar o que acabo de ver no Jornal Nacional.

Essa semana o Jornal Nacional irá exibir uma série de reportagens sobre o Câncer de mama. A de hoje foi sobre o mamógrafo, o exame inicial para detecção do Câncer de mama. Parabenizar é pouco, pois a matéria foi ótima e a denúncia melhor ainda.

Moro no interior de São Paulo. Para a minha cidade tem apenas 1 mamógrafo, na rede pública de saúde, devido a quantidade de habitantes. Esse mamógrafo tem fila de espera de, aproximadamente, 2 meses, variando para mais ou para menos. Quando a mulher chega com pedido de urgência a mamografia é realizada em até 24 horas. Um tempo razoável, nesse caso. Mas não quando se trata de exame rotineiro. Para organizações internacionais, o tempo entre o diagnóstico e o início do tratamento é de 2 meses, ou seja, aqui, os 02 meses são para fazer o exame.

Quando confirmado o nódulo e sua possível malignidade, a mulher é encaminhada para o mastologista, que faz a biópsia e posterior cirurgia. Na cidade temos apenas 1 mastologista e não temos oncologista e, conseqüentemente, não se tem o tratamento na cidade, apenas nas referências da cidade vizinha. O início do tratamento tem demorado bastante, algumas mulheres esperam em torno de 1 mês e meio.

Essa é a minha realidade diária. Não tenho Câncer de mama, mas sou Terapeuta Ocupacional em uma ONG que presta assistência a mulheres que tem ou tiveram Câncer de mama e vejo essa história dia após dia.

É demora no exame. É profissional despreparado para fazer o exame clínico da mama. É um mastologista na rede. Não tem tratamento na cidade. Tratamento demora. São mulheres novas, em torno dos 30 anos, com Câncer de mama. São idosas com o mesmo agravo. Mulheres perdem a mama toda, mesmo manifestando a vontade de preservá-la. E, depois disso tudo, muitas mulheres não são orientadas a procurar outros profissionais de saúde, como: fisioterapeuta, nutricionista, psicólogo, terapeuta ocupacional, assistente social. Essa equipe é que vai dar todo o suporte durante todas as fases, desde a suspeita, passando pelo diagnóstico e acompanhando a cirurgia e tratamento.

Portanto, a iniciativa de fazer reportagens sobre esse problema é louvável, pois o número de casos de Câncer de mama tem aumentado ano a ano e se tornado um problema de saúde pública. Se grandes mídias não ajudarem a denunciar tudo isso, nada poderá ser mudado.

E, antes de qualquer coisa, diagnosticar um Câncer de mama no início aumenta as chances de cura e só se diagnostica fazendo auto exame mensalmente a mamografia periodicamente.

Sites interessantes para maiores informações:

* imagem retirada da internet.

Um comentário:

Flávia disse...

É triste estarmos num momento de tanta informação no mundo e tão poucos recursos locais para a maioria das pessoas.
Além de ser sua profissão, é um ato muito bonito poder ajudar as pessoas que estão passando ou passaram por essa doença terrível!

Mudando de assunto, você falou sobre a entrada do meu apê. Vc não sabe como aquela divisória da cozinha com a sala de jantar deu trabalho pra achar uma solução! Se tivermos alguma atualização no projeto daqui uns meses, posto as novidades.
Bjs